9º The Velvet Underground - As 10 melhores bandas e artistas da história

Publicado 13 Julho, 2014 por E. Luiz   


Uma banda com uma estreia avassaladora no mundo da música. Com poucos, mas estupendos álbuns durante a sua carreira. O ícone da música alternativa, e assim, a banda mais influente da história para bandas que seguem o caminho alternativo na música.

Parece exagero, mas a descrição acima encaixa perfeitamente a The Velvet Underground. Uma banda com sons ‘sujos’ e ‘grosseiros’, que tomou a música de uma forma além do considerado banda de garagem. Estranhamente a primeira canção do primeiro álbum do VU, ‘Sunday Morning’, é uma doce balada que trata de uma melancólica manhã. Indo para a próxima faixa, ‘I’m Waiting for My Man’, já temos a inflamada forma do VU tratar suas canções: uma falsa forma de negação a harmonia, e sendo mais falada do que necessariamente cantado: ‘Subindo para Lexington, 125 / Sentindo doente e sujo, mais morto do que vivo’. E sendo tão diferente ambas as canções, qual seria que melhor representa o VU? Ambas!

Uma banda formada em 1964, e tendo à frente Lou Reed e John Cale, mais a cantora Nico e o artista plástico Andy Warhol. E esses foram fundamentais para a obra fantástica que é o álbum de estreia (1967) da banda: The Velvet Underground & Nico. A capa de uma banana feita por Warhol até hoje é uma das capas mais famosas do mundo da música, combinando com os temas contidos no disco, que iam desde uso a drogas, prostituição e até mesmo ocultismo.

‘Venus in Furs’ é a melhor canção do álbum, e se trata de uma ode ao sadomasoquismo: ‘Garotinha açoitada no escuro / Vem ao som do sino, seu servo, não abandone ele / Golpeie, querida senhora, e cure o coração dele’. Extremamente não comercial para a época, o álbum foi totalmente esquecido pelo público na época. Talvez pela pouca qualidade no som e pouco empenho técnico. Mas isso é compreensível quando temos um álbum que foi gravado em apenas oito horas em um estúdio em Nova Iorque. The Jesus and Mary Chain, Television, Joy Division, Talking Heads, e tantas outras bandas se influenciaram pelo trabalho do VU para estabilizar seus sons. Possivelmente The Velvet Underground & Nico foi o álbum de estreia mais importante e mais ignorado da música.

O segundo álbum saiu no ano seguinte, mas desta vez com o pedido da produtora de um trabalho com apelo mais comercial. Não que a banda tenha feito isso realmente, mas o álbum ‘White Light/White Heat’ é um avanço técnico para a banda. Tanto a faixa-título mais incrementada quanto uma participação maior de John Cale, deixaram a banda mais confortável mesmo tendo que mudar um pouco o que planejava antes – que era continuar com seu som nada comercial. Se formos pensar bem ‘White Light/White Heat’ é ainda mais bruto do que o outro. ‘The Gift’, a melhor canção do álbum e possuindo mais de oito minutos de duração (a canção com mais duração é ‘Sister Ray’, com 17 minutos), cantado/falado por Cale em uma música que conta a história de Waldo Jeffers, que é atormentado pela traição de sua esposa Marsha, e com isso envia a si próprio como uma carta para a mulher, que no final contém contornos trágicos e ao mesmo tempo cômico.

Passada a animação do primeiro e segundo álbum, Lou Reed e cia iriam produzir o melhor álbum da banda. Sai John Cale e entra Doug Yule. Um ambiente mais tranquilo é produzido o álbum, assim como menos pressão – tendo agora o novo selo MGM. E assim, em 1969, nasce o álbum homônimo da banda. Perfeito em cada faixa, Reed escreve todas elas, e agora com temas menos estranhos (mas sem deixar de ser estranho). Desde a faixa tranquila ‘Candy Says’ que abre o álbum contando a história do travesti Candy Darling, passando pelo rock estupendo de ‘Whats Goes On’, um quase country ‘Some Kinda Love’, a terna ‘Pale Blue Eyes’, até atingir quase a perfeição faixa após faixa com ‘After Hours’ - a última canção do álbum na qual a baterista Maureen Rucker fica com o vocal.

Lou Reed sempre colocou sua experiência das ruas em suas canções, e ele se alçava como um talentoso compositor através deste álbum. Claro que novamente o disco seria um fracasso comercial (mas neste caso mais pela falta de empenho da produtora), mas hoje é uma das pedras fundamentais não somente do rock alternativo mas ele como um todo e a própria música. O sucesso viria em si com o álbum Loaded de 1970, com canções conhecidas como ‘Sweet Jane’ e ‘Who Loves the Sun’, contudo, tecnicamente falando o álbum era muito longe da alma do VU, e assim banal para uma banda que havia revolucionado tudo anteriormente.

Se com o VU Lou Reed não alcançou o sucesso mundial, isso aconteceria em sua carreira solo ao lançar ‘Transformer’ (depois de um péssimo primeiro álbum) que com a produção de David Bowie levou a música ‘Walk On the Wild Side’ ao top do mundo, assim como as canções ‘Perfect Day’ e ‘Sattelite of Love’. A dupla entre Lou Reed e David Bowie iria render outras grandes obras musicais, para ambos os lados inclusive. John Cale também não iria ficar atrás, realizando o pouco conhecido, mas reverenciado, álbum ‘Paris 1919’ (1973), com sons totalmente diferente de quando estava no VU.

Muitos podem criticar a presença de VU nesta lista, principalmente pelos poucos álbuns em relação a outras bandas que possam ser consideradas maiores. Mas não há dúvida que ao lado dos The Beatles, essa é a banda que mais influenciou a música de alto nível durante os anos. Se alguém queria ouvir algo menos comercial e popular nos anos 60/70, certamente ficou feliz ao comprar um dos 3 primeiros álbuns produzidos pelo VU. Brian Wilson (o eterno líder dos Beach Boys) inclusive disse que quem comprou o álbum de estreia do Velvet na época, fez uma banda. Não que o som feito por eles encorajasse a qualquer um ser um artista, mas sim a alma que a banda transmitia permitiu que muitos outros músicos inovassem seu som e ao mesmo tempo estivessem livres para isso.


Os 3 melhores álbuns:

1º The Velvet Underground (1969)

  1. Candy Says ♦
  2. Whats Goes On ♦
  3. Some Kinda Love ♦
  4. Pale Blue Eyes ♦
  5. Jesus
  6. Beginning to See the Light ♦
  7. I'm Set Free ♦
  8. That's the Story of My Life
  9. The Murder Mistery
  10. After Hours ♦

2º The Velvet Underground & Nico (1967)

  1. Sundat Morning ♦
  2. I'm Waiting for the Man ♦
  3. Femme Fatale ♦
  4. Venus in Furs ♦
  5. Run Run Run ♦
  6. All Tomorrow's Parties
  7. Heroin ♦
  8. There She Goes Again
  9. I'll Be Your Mirror
  10. The Black Angel's Death Song
  11. European Song

3º White Light/White Heat (1968)

  1. White Light/White Heat
  2. The Gift ♦
  3. Lady Godiva's Operation ♦
  4. Here She Comes
  5. I Heard Her Calls my Name
  6. Sister Ray

As 10 melhores canções:

1º Venus in Furs



2º What Goes On



3º Sweet Jane



4º Heroin



5º Some Kinda Love



6º The Gift



7º Lady Godiva’s Operation



8º Femme Fatale



9º Run Run Run



10º Candy Says










Comentários



Nenhum comentário.


© 2017 Templo de Atena. Todos os Direitos Reservados