A Arte das Trevas Parte 3 - Conhecendo a luz de uma alma obscura

Publicado 23 Julho, 2013 por C. Aguiar   


‘Durante as minha sessões com uma terapeuta, Eu perguntei a ela por que [...] eu sempre ficava tão emocionada com uma boba, insignificante imagem: minha mãe segurando minha pequena mão enquanto nós atravessamos uma rua movimentada. A terapeuta disse que a imagem era imensamente significativa porque foi a única vez na minha vida em que minha mãe realmente me protegeu’. No terceiro capítulo da Arte das Trevas, contamos um pouco da história e da obra de Suzzan Blac, mas não uma bela pintora com pouco mais de 40 anos, que constituiu uma bela família, e que é ativista em defesa de pessoas que sofreram violências sexuais, mas da mulher que resistiu à toda uma infância e adolescência sofrendo abusos diversos (inclusive de sua própria mãe, e também foi vítima do tráfico de pessoas), sobreviveu à problemas com a dependência química e à tentativas de suicídio, e que ainda assim, foi capaz de transformar em arte todos os seus medos, terrores, todas as lembranças do peso que carregou em sua alma por tanto tempo. Falaremos da mulher que, ainda assim, buscou forças, e de um poço obscuro em que se encontrava, passou a ser uma luz para aquelas que sofrem com o mesmo problema, orientando-as, ajudando profissionais, compartilhando suas experiências. Quantas pessoas mais teriam esta força?

A Humilhação das Bonecas (Abasement Of Dolls)
A Humilhação das Bonecas (Abasement Of Dolls)
A Humilhação das Bonecas (Abasement Of Dolls)
A Humilhação das Bonecas (Abasement Of Dolls)

Em suas obras em estilo surrealista, Suzzan (que tem como inspiração telas de Caravaggio e Jan Van Eyck, dentre outros) retrata desde a questão da exploração da mulher como objeto, até sobre a brutalidade dos abusos sexuais em si. Assim como os temas, suas representações em tela são pesadas, e com certeza irão causar choque visual. Mas são os sentimentos de Suzzan sobre todo este horror que estão representados, e como tal, mesmo o chocante se transforma em arte. Separamos algumas obras (disponíveis também no site de Suzzan http://suzzanbcom.ipage.com) de suas principais conjuntos de telas, e a seguir, explicamos o contexto não de cada obra em si, mas da sequência temática a qual a tela pertence. Quais são as suas reações perante cada tela?

Tais pinturas, feitas entre 2008 e 2009, constituem uma série que, segundo a autora, retrata um pouco da condição sexual e da exploração de mulheres. A sequência A Humilhação Das Bonecas também constitui crítica à crescente perseguição do ‘ideal de beleza’ que a própria sociedade impõe às mulheres. De acordo com as palavras da própria pintora, ‘Se as pessoas conhecessem a horrenda logísticas por trás desta atroz indústria, tenho certeza que todos considerariam tal imposição abominante e intolerável’. Aqui, a autora critica também a ‘pornografia para consumo’, elemento degradante de milhares de mulheres.

I Can´t Make My World Right (Eu Não Posso Consertar Meu Mundo)
I Can´t Make My World Right (Eu Não Posso Consertar Meu Mundo)
I Can´t Make My World Right (Eu Não Posso Consertar Meu Mundo)
I Can´t Make My World Right (Eu Não Posso Consertar Meu Mundo)

Ambas as telas acima são de 2012. A primeira à esquerda, tem um nome não muito ‘educado’, chamada Mind Fuckers (F... de Mentes, em livre tradução) , e a segunda chama-se Surgery/Surgeon (Cirurgia/ Cirurgião). Tais telas pertencem à um conjunto cujo contexto ainda adequa-se à primeira sequência de telas apresentada. Uma análise da tela à esquerda mostra de modo claro um monstro pronto à deturpar a mente de uma pessoa. Seria essa uma análise aos meios de comunicação, que cada vez mais utilizam-se de ferramentas de alienação coletivas? Seria uma referência às mulheres que sofrem violência sexuais, cujas mentes jamais voltam a ser as mesmas após tanto sofrimento e constrangimento? Já a segunda tela claramente é uma referência à ditadura da beleza: temos a mente de uma mulher sendo ‘reconstruída’ enquanto é maquiada. Um retrato cruel, porém verdadeiro de um sociedade que exige o que quase mulher nenhuma pode dar, caso queira ser aceita.

The Things That People Don´t Like To Talk About (As  Coisas Sobre As Quais As Pessoas Não Gostam De Conversar)
The Things That People Don´t Like To Talk About (As Coisas Sobre As Quais As Pessoas Não Gostam De Conversar)
The Things That People Don´t Like To Talk About (As  Coisas Sobre As Quais As Pessoas Não Gostam De Conversar)
The Things That People Don´t Like To Talk About (As Coisas Sobre As Quais As Pessoas Não Gostam De Conversar)

É sobre ‘[...]Aqueles que acreditam que o mundo é intrinsecamente justo e não querem acreditar que no que a insensibilidade de tantos seres pode infligir aos outros. Eles preferem varrer estar coisas desagradáveis para debaixo de seus tapetes de contos de fadas’. É parte da explicação da pintora à esta sequência de telas que, de longe, é a mais ‘assustadora’ de todo o acervo produzido por Suzzan. A primeira tela aqui mostrada, à esquerda chama-se ‘She Likes It’ (Ela gosta disso, em português), e no próprio site da artista o subtítulo dá muito a entender sobre o contexto da situação retratada: ‘O monstro responde ao questionamento da mãe por que ele fazia o que estava fazendo’. Não há muito o que se pensar sobre a interpretação da tela: ela simboliza uma garota sofrendo violência sexual. A essência das tragédias que aconteceram à Suzzan. Não há muito o que entender. O que se pode fazer é olhar para a tela e sentir o drama de Suzzan, no rosto do homem que virou um monstro ao molestar uma criança, que ainda que abstrato, transmite uma sensação real de medo e ódio. Já a segunda tela, cujo nome em português é Um Dos Namorados Da Mamãe mostra um rosto, metade homem, metade besta-fera. Suzzan aqui aborda outro acontecimento doloroso em sua vida: não bastasse os abusos que sofreu de sua mãe, a mulher que lhe deu a vida ainda permitia que seus namorados molestassem a filha. Por isso as duas caras: de um lado homem, de outro, um monstro.

          Bem, as telas de Suzzan contém mensagens bastante diretas, e aqui, a arte age com a finalidade de transmitir o que Suzzan passou em sua vida. Arte com finalidade. E isto é algo raro de se ver especialmente nos dias atuais, em que a pintura praticamente se tornou um artefato meramente histórico aos olhos de muitos. Que a mensagem de Suzzan possa se espalhar, mas que sobretudo, que ninguém nunca mais passe por qualquer coisa parecida com que esta artista, grande ao seu modo, grande ao dar a volta por cima, vivenciou. Outras telas podem ser vistas no site de Suzzan, http://suzzanbcom.ipage.com/gallery.php.



Artigos Relacionados



Comentários



Há um comentário:
  • Karla

    comentou em 25/07/2013 19:21:23:
    Amei o artigo meninos!!!! Muito bem estruturado!!!! Abraços KArla


© 2017 Templo de Atena. Todos os Direitos Reservados